Barra de Vídeo

Loading...

19 fevereiro, 2010

Um PowerPoint interessante


Hoje recebi um PowerPoint, por mail, e achei interessante. 
Fez-me pensar em muitas coisas.

Um discípulo comentava com o mestre perguntando, 
porque é que nós havíamos de conhecer de cor a Palavra de Deus 
se nos esquecemos e temos que aprender outra vez 
e nunca chegamos a conhecê-la toda.
O mestre disse-lhe: Vês aquele cesto de verga?
Pega nele e vai lá abaixo ao rio e enche-o de água e traz cá acima.

Ele assim fez.
Então que aprendeste, disse o mestre.
O cesto tem buracos e perdi a água toda.

Vai lá outra vez, disse-lhe o mestre.
Ele assim fez, uma e outra e outra vez.

No final a conclusão foi a mesma.
O mestre disse-lhe: Já reparaste que o cesto agora está limpo? Não reteve a água mas foi-se purificando. Assim acontece connosco os que aprendemos a palavra. Vamo-nos purificando mesmo que não consigamos reter toda a palavra.





1. Todos somos cestos com buracos.
2. Alguns cestos andam sujos.
3. Alguns andam limpos mas têm buracos como os outros.
4. Alguns andam sujos mas preocupados com os buracos.
5. Alguns andam sujos e têm buracos, mas preocupam-se com os buracos dos outros.
6. Alguns andam sujos e têm buracos mas só vêem a sujidade dos outros.
7. Alguns andam sujos e têm buracos e só pensam na sua sujidade.
8. Alguns andam sujos e com buracos mas preocupam-se em limpar a sujidade, embora nada façam para tapar os buracos porque sabem que não tem solução, faz parte da sua realidade humana.
9. Alguns sabem que andam sujos mas não se preocupam. Acham que quem está mal é quem está limpo.
10. Alguns passam pela água e ficam limpos.
11. Alguns quanto mais passam pela água mais sujos ficam
12. Alguns pensam que o problema é da água. E não é que têm razão?
É mesmo da água com que se lavam. Porque será que alguns pensam que andam sujos apesar de se lavarem por causa da água que usam e não mudam de água. Gostam da água suja e inquinada em que mergulham.
 A água da inveja, do ódio, da intriga, da divisão, da discórdia, da agressividade.
Não seria melhor procurar a água do perdão, da misericórdia e da paz?
Em que águas te andas a banhar?

Sem comentários: