Barra de Vídeo

Loading...

07 abril, 2010

Eu peregrino. Ele, o Caminho


Eu peregrino. Ele, o caminho
Eu, a pergunta. Ele, a resposta
Eu, a sede. Ele, a fonte
Eu, as trevas. Ele, a luz
Eu, o pecado. Ele, o perdão
Eu, a luta. Ele, a vitória
Eu, o inverno. Ele o sol
Eu, o doente. Ele, o milagre
Eu, o grão de trigo. Ele, o pão
Eu, a procura. Ele, o endereço
Meu passado e meu presente em suas mãos
Meu futuro todo dele
Eu, no tempo... e Cristo a eternidade
(A.D.)

Recebi esta linda mensagem por e-mail e compartilho com todos vocês, meus amigos.
Desejo-vos um feliz tempo Pascal. 



O POTE RACHADO

"Havia na Índia um carregador de água que transportava – em ambas as pontas de uma vara que levava atravessada no pescoço – dois potes grandes de barro.
Um dos potes tinha uma racha e o outro era perfeito.
O pote perfeito chegava sempre cheio ao final do longo caminho que ia do poço até à casa do patrão.
Mas o pote rachado chegava apenas com metade da água.
E assim, durante dois anos, o carregador entregou diariamente um pote e meio de água em casa do seu senhor.
O pote perfeito, é claro, estava orgulhoso do seu trabalho.
O pote rachado, porém, estava envergonhado da sua imperfeição. Sentia-se miserável por apenas ser capaz de realizar metade da tarefa a que estava destinado.
Depois de perceber que, ao longo de dois anos, não tinha passado de uma amarga desilusão, o pote disse um dia ao homem, à beira do poço:
- Estou envergonhado e quero pedir-te desculpa. Durante estes dois anos só entreguei metade da minha carga, porque a minha racha faz com que a água se vá derramando ao longo do caminho. Por causa do meu defeito, tu fazes o teu trabalho e não ganhas todo o salário que os teus esforços mereciam.
O homem ficou triste com a tristeza do velho pote, e disse-lhe com compaixão:
- Quando voltarmos para casa do meu senhor, quero que repares nas flores que se encontram à beira do caminho.



De facto, à medida que iam subindo a montanha, o pote rachado reparou em que havia muitas flores selvagens à beira do caminho e ficou mais animado.
Mas no final do percurso, tendo-se vazado mais uma vez metade da água, o pote sentiu-se mal de novo e voltou a pedir desculpa ao homem pela sua falha.
Então, o homem disse ao pote:
- Reparaste em que, ao longo do caminho, só havia flores de teu lado? Reparaste também em que, quando vínhamos do poço, todos os dias, tu ias regando essas flores? Ao longo de dois anos, eu pude colher flores para ornamentar a mesa do meu senhor. Se tu não fosses assim como és, ele não poderia ter essa beleza para dar graça à sua casa."


Afinal talvez por onde passamos ainda consigamos fazer despontar um sorriso, secar uma lágrima. Se calhar ainda temos um caminho a percorrer.

Dêmos as mãos e continuemos.

Sem comentários: